domingo, 29 de maio de 2016

Tchau, tristeza! São Francisco de Sales nos escreve palavras de ânimo!

maio 25, 2016



Não se pode meter um enxerto de carvalho numa pereira, pois são duas árvores de humor contrário uma à outra; tampouco se poderia enxertar a ira, nem a cólera, nem o desespero, na caridade; ao menos seria muito difícil. Quanto à ira, vimo-la no discurso do zelo; quanto ao desespero, a não ser que o reduzamos à justa desconfiança de nós mesmos, ou então ao sentimento que devemos ter da vaidade, fraqueza e inconstância dos favores, assistência e promessas do mundo, não vejo que serviço pode o divino amor tirar dele.

E, quanto à tristeza, como pode ela ser útil à santa caridade, já que entre os frutos do Espírito Santo a alegria é colocada junto à caridade? Não obstante, o grande Apóstolo assim diz: A tristeza que é segundo Deus opera a penitência estável em salvação, mas a tristeza do mundo opera a morte (Gal 3, 22; 2 Cor 7, 10).

Há, pois, uma tristeza segundo Deus, a qual é exercida ou pelos pecadores na penitência, ou pelos bons na compaixão pelas misérias temporais do próximo, ou pelos perfeitos na deploração, queixa e condolência das calamidades espirituais das almas; pois David, São Pedro, a Madalena choraram pelos seus pecados, Agar chorou vendo seu filho quase morto de sede, Jeremias sobre a ruína de Jerusalém, Nosso Senhor sobre os Judeus e Seu grande Apóstolo gemendo diz estas palavras: Muitos andam, os quais, eu muitas vezes vos disse e de novo vos digo que são inimigos da cruz de Jesus Cristo (Filip 3, 18).

Há, pois, uma tristeza deste mundo que provém igualmente de três causas:

Porquanto, 1º, provém às vezes do inimigo infernal, que, por mil sugestões tristes, melancólicas e molestas obscurece o entendimento, debilita a vontade e conturba toda a alma. E, assim como um nevoeiro espesso enche de catarro a cabeça e o peito, e por esse meio torna a respiração difícil, e põe em perplexidade o viajor, assim também o maligno, enchendo o espírito humano de pensamentos tristes, tira-lhe a facilidade de aspirar a Deus, e dá-lhe um aborrecimento e desânimo extremo, a fim que desesperá-lo e de perdê-lo. Dizem que há um peixe a que chamam diabo do mar (*) o qual, revolvendo e empurrando para cá e para lá o lodo, turva a água à volta de si, para se manter nela como na emboscada, e dela, logo que avista os pobres peixinhos, atira-se sobre eles, assalta-os e os devora, donde talvez tenha vindo a expressão pescar em água turva, de que se usa comumente. Ora, dá-se com o diabo do inferno o que se dá com o diabo do mar; pois ele arma suas emboscadas na tristeza, quando, tendo tornado a alma perturbada por uma multidão de pensamentos aborrecidos, lançados aqui e acolá no entendimento, precipita-se depois sobre os afetos, afligindo-os com desconfianças, ciúmes, aversões, invejas, apreensões supérfluas dos pecados passados, e fornecendo uma quantidade de sutilezas vãs, acres e melancólicas, a fim de que rejeitemos toda sorte de razões e consolações.

2º A tristeza procede também, outras vezes, da condição natural, quando o temperamento melancólico domina em nós, e este não é verdadeiramente vicioso em si mesmo, mas no entanto nosso inimigo serve-se dele grandemente para urdir e tramar mil tentações em nossas almas; porquanto, assim como as aranhas quase nunca fazem suas teias senão quando o tempo está encoberto e o céu nublado, assim também esse espírito maligno nunca tem tanta facilidade para armar as ciladas das suas sugestões nos espíritos doces, benignos e alegres, como nos espíritos sombrios, tristes e melancólicos; pois os agita facilmente com mágoas, suspeitas, ódios, murmurações, censuras, invejas, preguiça e entorpecimento espiritual.

3º Finalmente, há uma tristeza que a variedade dos acidentes humanos nos acarreta. Que alegria posso eu ter, dizia Tobias, não podendo ver a luz do céu? (Tob 5, 12). Assim Jacob ficou triste com a notícia da morte de seu José, e David com a do seu Absalão. Ora, essa tristeza é comum aos bons e aos maus, porém nos bons é moderada pela aquiescência e resignação à vontade de Deus; como se viu em Tobias, que, de todas as adversidades de que foi tocado, deu graças à divina majestade, e em Job, que por elas bendisse o nome do Senhor; e em Daniel, que converteu suas dores em cânticos. Pelo contrário, quanto aos mundanos, essa tristeza lhes é ordinária, e converte-se em pesares, desespero e atordoamentos de espíritos; pois eles são semelhantes às macacas e marmotas, que estão sempre sorumbáticas, tristes e zangadas por falta da lua, mas, ao contrário, à renovação desta, saltam, dançam e fazem as suas momices. O mundano é ronhento, intratável, acre e melancólico na falta das prosperidades terrenas, e na afluência destas é quase sempre fanfarrão, divertido e insolente.

De certo, a tristeza da verdadeira penitência não deve tanto ser chamada tristeza como desprazer, ou sentimento e detestação do mal, tristeza que nunca é nem aborrecida nem mal humorada, tristeza que não entorpece o espírito, mas que o torna ativo, pronto e diligente; tristeza que não abate o coração, mas o eleva pela oração e pela esperança, e o leva a fazer os rasgos do fervor de devoção; tristeza que no forte das suas amarguras produz sempre a doçura de uma consolação incomparável, consoante o preceito do grande Santo Agostinho:

Entristeça-se o penitente sempre, mas sempre se alegre com a sua tristeza. Diz Cassiano que a tristeza que opera a sólida penitência e o agradável arrependimento, da qual a gente nunca se arrepende, é obediente, afável, humilde, bondosa, suave, paciente, como sendo saída e descendente da caridade. De tal sorte que, estendendo-se a toda dor de corpo e contrição de espírito, de certo modo é alegre, animada e revigorada pela esperança do seu proveito, e retém toda a suavidade da afabilidade e longanimidade, tendo em si mesma os frutos do Espírito Santo que o santo Apóstolo narra. Ora, os frutos do Espírito Santo são: caridade, alegria, paz, longanimidade, bondade, benignidade, fé, mansidão, continência (Gal 4, 22). Tal é a verdadeira, e tal a boa tristeza, que por certo não é propriamente triste nem melancólica, mas somente atenta e afeiçoada a detestar, rejeitar e impedir o mal do pecado quanto ao passado e quanto ao futuro. Nós vemos também múltiplas vezes penitências muito apressadas, perturbadas, impacientes, chorosas, amargas, suspirantes, inquietas, grandemente ásperas e melancólicas, as quais enfim se mostram infrutíferas e sem consequência de qualquer verdadeira emenda, porque não procedem dos verdadeiros motivos da virtude de penitência, e sim do amor próprio e natural.

A tristeza do mundo opera a morte (2 Cor 7, 10), diz Apóstolo. Teótimo, cumpre pois evitá-la e rejeitá-la segundo o nosso poder. Se ela é natural, devemos repeli-la, contravindo aos seus movimentos, afastando-a por exercícios próprios para isto, e usando dos remédios e modos de viver que os próprios médicos julgarem oportunos. Se provém de tentação, devemos descobrir vosso coração ao pai espiritual, o qual nos prescrevera os meios de vencê-la, conforme o que sobre isso dissemos na quarta parte da Introdução à vida devota. Se é acidental, recorramos ao que está assinalado no livro oitavo, a fim de vermos o quanto as tribulações são amáveis aos filhos de Deus, e como a grandeza das nossas esperanças na vida eterna deve tornar quase inconsideráveis todos os acontecimentos passageiros da vida temporal.

De resto, por entre todas as melancolias que nos podem advir, devemos empregar a autoridade da vontade superior para fazermos tudo o que pudermos em favor do amor divino. Certamente há ações que dependem tanto da disposição e compleição corporal, que não está em nosso poder fazê-las a nosso gosto. Pois um melancólico não poderia manter nem os olhos, nem a palavra, nem o semblante na mesma graça e suavidade que teria se estivesse descarregado desse mau humor; bem pode, porém, embora sem graça, dizer palavras graciosas, bondosas e corteses, e, apesar da sua inclinação, fazer por força de razão as coisas convenientes em palavras e em obras de caridade, doçura e condescendência. Uma pessoa é desculpável de nem sempre ser alegre, pois não é dono da alegria para tê-la quando quiser; mas não é desculpável de não ser sempre bondosa, manejável e condescendente, pois isto está sempre no poder da nossa vontade, e para isso não é preciso senão resolver-se a superar o humor e inclinação contrária.

(*) O nome de diabo do mal aplica-se a vários peixes do Oceano e do Mediterrâneo: à arraia, à escorpena e sobretudo ao diabo marinho.
____________

São Francisco de Sales, Tratado do Amor de Deus, Livro décimo primeiro, capítulo XXI

Por Aleteia








Matéria retirada do site:

CNBB lança documento “Cristãos Leigos e Leigas na Igreja e na Sociedade”



maio 27, 2016



O Documento 105 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), “Cristãos Leigos e Leigas na Igreja e na Sociedade – Sal da Terra e Luz do Mundo”, acaba de ser lançado pelas Edições CNBB. O texto foi aprovado pelo episcopado brasileiro durante a 54ª Assembleia Geral da CNBB, ocorrida no mês de abril, em Aparecida (SP).

De acordo com o bispo auxiliar de Brasília (DF) e secretário geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, o Documento 105 “retoma e aprofunda a participação dos leigos e leigas na Igreja e na sociedade”. O texto é, também, uma forma de agradecimento dos bispos aos cristãos leigos por sua dedicação à Igreja e pelo entusiasmo com que se doam à evangelização. Para o bispo, há uma participação “extraordinária” dos leigos na Igreja. “Mulheres e homens que constroem o Reino da verdade e da graça, do amor e da paz; que assumem serviços e ministérios que tornam a Igreja consoladora, samaritana, profética, serviçal, maternal”, acrescenta.

No novo Documento, o cristão leigo é compreendido como sujeito eclesial, “aberto ao diálogo, à colaboração e à corresponsabilidade com os pastores” .

“Ser sujeito eclesial significa ser maduro na fé, testemunhar o amor à Igreja, servir os irmãos e irmãos, permanecer no seguimento de Jesus, na escuta obediente à inspiração do Espírito Santo e ter coragem, criatividade e ousadia, para dar testemunho de Cristo”, consta no texto.

O Documento 105 segue a metodologia Ver, Julgar e Agir e divide-se em três capítulos. O primeiro apresenta o marco histórico-eclesial da caminhada da vida dos cristãos leigos e leigas. O segundo trata da compreensão da identidade e da dignidade laical como sujeito eclesial e identifica a atuação dos leigos, considerando a diversidade de carismas, serviços e ministérios na Igreja. Já o terceiro e último capítulo aborda a dimensão missionária da Igreja e indica aspectos, princípios e critérios de formação do laicato. Esta parte aponta ainda lugares específicos da ação dos leigos.

“Cristãos Leigos e Leigas na Igreja e na Sociedade” está disponível nas Edições CNBB e já pode ser adquirido no site: www.edicoescnbb.com.br ou através do telefone (61) 2193.3019.

Por CNBB








Matéria retirada do site:

“Nos excluídos, vocês tocam e servem a carne de Cristo”

maio 27, 2016



O Papa Francisco recebeu no final da manhã desta sexta-feira, (27/05), os participantes do Capítulo Geral da Pequena Obra da Divina Providência, conhecidos como Orionitas; o obra foi fundada por São Luis Orione.

Presente no encontro o novo Conselho Geral da Congregação, eleito nos dias passados. Como novo Superior Geral foi escolhido o brasileiro Pe. Tarcísio Gregório Vieira. A Congregação, além do Brasil, está presente em 32 países.

Dom Orione pedia a vocês – disse o Papa no seu discurso aos presentes – para “procurar curar as feridas do povo, curar suas enfermidades, ir ao encontro dele no moral e no material: desta forma, a sua ação será não só eficaz, mas profundamente cristã e salvadora”.

“Essas indicações são mais do que nunca verdadeiras! De fato, fazendo isso, vocês não só imitarão Jesus, o Bom Samaritano, mas vão oferecer às pessoas a alegria de encontrar Jesus e a salvação que ele traz para todos. Na verdade, “quem se deixa ser salvo por Ele está livre do pecado, da tristeza, do vazio interior, do isolamento. Com Jesus Cristo sempre nasce e renasce a alegria”, afirmou o Pontífice.

Todos nós estamos no caminho do seguimento de Jesus. Toda a Igreja – disse Francisco – é chamada a caminhar com Jesus nas estradas do mundo, para encontrar a humanidade de hoje que precisa – como escreveu Dom Orione – do “pão do corpo e do divino bálsamo da fé”.

Para encarnar no hoje da história essas palavras do seu fundador e viver a essência do seu ensinamento, vocês colocaram no centro das reflexões do Capítulo Geral a sua identidade, resumida por Dom Orione no título de “servos de Cristo e dos pobres”.

“A estrada mestra é manter sempre unidas estas duas dimensões da sua vida pessoal e apostólica. Vocês foram chamados e consagrados por Deus para permanecerem com Jesus e servi-Lo nos pobres e nos excluídos da sociedade. Neles, vocês tocam e servem a carne de Cristo e crescem na união com Ele, vigiando sempre para que a fé não se torne ideologia e a caridade não se reduza à filantropia”, advertiu Francisco.

O Papa destacou ainda que o anúncio do Evangelho, especialmente em nossos dias, requer tanto amor ao Senhor, junto com uma particular iniciativa.

“Eu soube – continuou o Santo Padre – que quando ainda era vivo, o Fundador, em alguns lugares vocês eram chamados de “os padres que correm”, porque sempre viam vocês em movimento, no meio do povo, com os passos rápidos de quem se preocupa. “Amor est via”, (o amor é o caminho) recordava São Bernardo, o amor está sempre na estrada, no caminho.
O Pontífice fez então uma exortação: Com Dom Orione, também eu lhes exorto a não permanecerem fechados em seus ambientes, mas ir “para fora”.

Há tanta necessidade de sacerdotes e religiosos que não se detenham somente nas instituições de caridade – embora necessárias – mas que saibam ir além dos confins delas, para levar em todos os ambientes, mesmo o mais distante, o perfume da caridade de Cristo.

Nunca percam de vista nem a Igreja nem a sua comunidade religiosa, ao contrário, o coração deve estar lá no seu “cenáculo”, mas depois é preciso sair para levar a misericórdia de Deus a todos, sem distinção.

O Papa Francisco concluiu confiando a Congregação à materna proteção de Nossa Senhora, venerada pelos Orionitas como “Mãe da Divina Providência”.

Por Rádio Vaticano








Matéria retirada do site:

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Bispos do Nordeste convocam os fiéis a rezar pela situação do Brasil

maio 24, 2016




Em meio aos problemas políticos e sociais que afligem o país, o Conselho Episcopal do Regional Nordeste 2 da CNBB, em reunião realizada com os bispos no Recife, redigiram um documento direcionado à toda a população brasileira.

No documento, há um convite para um dia especial de oração e penitência pelo Brasil, no dia 26 de maio, ocasião em que a Igreja celebra a Solenidade de Corpus Christi.

Segundo o Arcebispo de Olinda e Recife, Dom Fernando Saburido, a situação atual implica na vida de todos, especialmente dos mais pobres. “A Igreja é viva e atuante e precisa se fazer presente neste momento difícil, congregando fiéis das diversas paróquias para interceder pelo nosso Brasil, bastante sofrido, mas forte e confiante nas providências do Pai”, comentou.

Sendo assim, a partir deste comunicado, o cristão está convidado a vivenciar, neste dia de penitência, as Obras de Misericórdia espirituais e corporais como resposta aos apelos dos bispos do Regional.

Ainda conforme explica o documento, cada fiel poderá eleger, segundo sua consciência e inspiração, como fazer sua penitência e oração neste dia da Festa de Corpus Christi.

Além disso, as dioceses estão livres para fazer sua programação neste dia, envolvendo jovens, famílias e comunidades religiosas.

Por Gaudium Press, com Arquidiocese de Olinda e Recife








Matéria retirada do site:

segunda-feira, 23 de maio de 2016

7 COISAS DA IGREJA CATÓLICA QUE TENTAM ESCONDER DE VOCÊ


Em um país como o Brasil, onde a estrutura da Igreja Católica forma uma das maiores bases sociais para a população, é preciso que todos nós saibamos qual o tamanho dessa Igreja para que possamos ajudá-la em sua missão e propagação do Evangelho. Formada por homens e mulheres; jovens e idosos; religiosos e religiosas; leigos e leigas, a Igreja Católica é a maior instituição benfeitora e promotora de caridade do Brasil, alimentando quem tem fome e tratando quem procura por seus hospitais. Ninguém distribui mais alimentos do que sua gente, o povo de Deus!


Portanto, há sete pontos em que a Igreja Católica Apostólica Romana é insuperável no Brasil:

#Verdade 1: Maior instituição de caridade do planeta;
#Verdade 2: A instituição que mais distribui alimentos;
#Verdade 3: Maios mantenedora de bolsas para a educação;
#Verdade 4: Melhor programa de combate a mortalidade infantil;
#Verdade 5: Mais de 300 mil projetos sociais;
#Verdade 6: Quem mais presta assistência aos idosos;
#Verdade 7: Única instituição presente em todos os municípios do Brasil.

#ProntoFalei!


Educa mais alunos que qualquer outra instituição de ensino desse país, como as crianças em suas creches e os idosos em seus lares de convivência. Ninguém distribui mais bolsas para a educação do que seus colégios e faculdades com mais de 2 milhões de alunos. Por isso, está presentes em todos os municípios do Brasil levando amor, unidade e esperança para todas as pessoas de fé, de todas as raças, guiados pela Boa Nova da verdade e da paz, sempre na defesa do bem e da dignidade da pessoa humana e firmes no propósito de evangelizar, como nos ordenou Jesus.

Acolhe milhões de pessoas em suas casas, trazidas pela fé que anima essa Igreja. Seus carismas são inspirados pelo Espírito Santo e estão presentes em mais de duzentas mil comunidades pregando o Evangelho, sob a intercessão e proteção de Maria, nossa Mãe e Mãe de todos os povos. Todos!

São mais de 130 milhões unidos em uma só família: a Igreja Católica Apostólica Romana no Brasil. Este é o sinal que nos faz criar laços de comunhão fraterna, favorecendo uma Igreja presente e atuante em nossos tempos. E todos devem conhecer e colaborar com isso. É um compromisso de solidariedade e fraternidade com os nossos irmão e irmãs em Cristo!

Por isso, como batizados, somos convidados a favorecer cada vez mais o bem comum e colaborar com essa Igreja que precisa da sua ajuda, sempre. Lembre-se que há mais de 500 anos essa Igreja evangeliza o Brasil, guiada pela sua profissão de fé em Cristo Jesus. Suas missões estão nos quatro cantos do país e do mundo. Enquanto todos já se esqueceram do Haiti, seus missionários e suas missionárias permanecem por lá ajudando quem necessita, sob o Evangelho de Jesus Cristo.

Nesse sentido, todos somos chamados a colaborar. A Plataforma Partilhe, criada para financiar projetos ligados exclusivamente à Igreja Católica é uma novidade que chega para ajudar as paróquias e comunidades a conseguir recursos para realizarem seus projetos pastorais. Você tem fé? Partilhe tem as as Obras. Cadastre seus projetos no Partilhe e realize os sonhos de sua comunidade. Partilhe nasceu para colaborar com a Igreja.


Por: Fábio Castro









Matéria retirada do site:

sábado, 21 de maio de 2016

Há 96 anos, nasceu São João Paulo II



REDAÇÃO CENTRAL, 18 Mai. 16 / 12:00 pm (ACI).- Há 96 anos, São João Paulo II nasceu na pequena cidade de Wadowice, localizada a 50 quilômetros de Cracóvia (Polônia). Hoje, seus fiéis devotos no mundo inteiro o recordam com um carinho especial.

Karol Józef Wojtyla é o nome que deram ao Papa peregrino que nasceu no dia 18 de maio de 1920. Foi o mais novo de três irmãos: Edmund era médico e Olga faleceu antes dele nascer.

Seu pai foi Karol Wojtyla, um suboficial do exército que faleceu em 1941, e sua mãe Emilia Kaczorowska, que morreu em 1929 quando o São João Paulo II tinha nove anos de idade.

Durante seu pontificado, costumava passar o seu aniversário como um “dia normal” de trabalho, como descreveu em 2004 o então diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Joaquín Navarro-Valls, ao narrar aos meios de comunicação como o Santo Padre comemoraria seus 84 anos de vida, o último aniversário que celebrou antes do seu falecimento.

Naquela oportunidade, Navarro-Valls detalhou que “para o Santo Padre, hoje (18 de maio de 2004) foi um dia de trabalho normal e, sobretudo, de ação de graças a Deus pelo dom da sua vida. A única coisa extraordinária foi convidar para um almoço os colaboradores mais próximos da Cúria”.

São João Paulo II costumava receber saudações e felicitações de todo o mundo no dia de seu aniversário, não só de católicos que também lhe ofereciam suas orações, mas também de personalidades da política, empresários, artistas, entre outros.

Logo depois de sua morte em 2005, os fiéis continuaram recordando e festejando a data do seu aniversário. Em 18 de maio de 2011, por exemplo, quando João Paulo II já havia sido proclamado Beato, foi inaugurada em Roma uma grande estátua de bronze dedicada à sua memória.

Na ocasião, o Vigário Geral de Roma, Cardeal Agostino Vallini, declarou ao Grupo ACI que “esta estátua significa que João Paulo II já não está presente entre nós, mas o seu coração está dando as boas-vindas a todos. Acredito que esta é uma grande mensagem de que necessitamos hoje em dia”.

Para conhecer mais sobre João Paulo II, acesse:http://www.acidigital.com/joaopauloii/








Matéria retirada do site:

Papa: Em sua misericórdia Jesus não fecha a porta aos pecadores

Papa Francisco / Foto: L'Osservatore Romano


VATICANO, 20 Mai. 16 / 12:00 pm (ACI).- Durante a missa na manhã de hoje na Casa Santa Marta, o Papa Francisco recordou as palavras que Cristo disse aos fariseus sobre o adultério e reiterou que ele deve anunciar a verdade de Deus sem deixar de lado a compreensão ante à fraqueza humana.

Francisco refletiu sobre as armadilhas que os fariseus e os doutores da lei colocam para o Senhor cair e diminuir sua autoridade e credibilidade entre as pessoas; como propõe o Evangelho de hoje, quando os fariseus perguntaram a Jesus se era lícito um homem repudiar a própria mulher.

O Papa disse que, crendo, ter “todo o conhecimento e sabedoria do povo de Deus”, um “grupinho de teólogos iluminados” colocam uma armadilha para o Senhor, a “armadilha da casuística”, que o Senhor aceita para ir além e alcançar a plenitude do matrimônio; algo que Cristo fez no passado com os saduceus ao abordar a passagem da mulher que teve sete maridos, a fim de mostrar que na ressurreição já não será esposa de ninguém, porque no céu não haverá esposa nem esposo.

“Já não são dois, mas uma só carne. Portanto, ‘não separe o homem o que Deus uniu’”, disse o Papa.

Em seguida, Francisco explicou que “Jesus responde a verdade, a partir da verdade contundente, esta é a verdade! Da plenitude para sempre! E Jesus nunca negocia a verdade”. Referindo-se ao “pequeno grupinho de teólogos iluminados”, disse que sempre negociavam a verdade, “reduzindo-a a casuística. Jesus não negocia a verdade. Esta é a verdade sobre o matrimônio, não há outra”.

No entanto, ele recordou que “Jesus é tão misericordioso, é tão grande que nunca, nunca, nunca fechou a porta aos pecadores” e, por isso, não se limita a anunciar a verdade, mas lembra os fariseus o que Moisés estabeleceu na lei. Mas eles vão repetir que Moisés escreveu uma declaração de divórcio, entretanto, Jesus responde que esta norma havia sido escrita “devido à dureza do coração deles”. Isto indica que Jesus distingue a verdade e a “fragilidade humana”.

“No mundo em que vivemos, com esta cultura do provisório, esta realidade do pecado é tão forte”, disse Francisco. E acrescentou que, embora haja a “dureza de coração, há também o pecado”, nem tudo está perdido, mas algo pode ser feito, pois também existe o “perdão, a compreensão, o acompanhamento, a integração” e, sobretudo a “ verdade nunca se vende!”. “Jesus é capaz de dizer esta grande verdade ao ser tão compreensivo com os pecadores, com os fracos”.

Papa Francisco assinalou que Jesus nos ensina duas coisas: “a verdade e a compreensão”; e ressaltou que isto é o que os “teólogos iluminados” não puderam compreender, porque eles estavam fechados na equação do “pode ou não se pode?”, e, portanto, incapazes de ter grandes horizontes, incapazes de amar a debilidade humana. Basta ver a “delicadeza” que com a qual Jesus tratou a mulher adúltera, que ia ser apedrejada: “Eu também não te condeno, de agora em diante não peques mais”, afirmou.

“Que Jesus nos ensine a ter com o coração uma grande adesão à verdade e também com o coração uma grande compreensão e acompanhamento a todos os nossos irmãos que estão em dificuldade”, disse o Papa Francisco. “E este é um dom, que o Espírito Santo nos ensina e não estes doutores iluminados, que para nos ensinar precisam reduzir a plenitude de Deus a uma equação casuística. Que o Senhor nos conceda esta graça!”, concluiu.

Evangelho (Mc 10,1-12)

Naquele tempo, Jesus foi para o território da Judeia, do outro lado do rio Jordão. As multidões se reuniram de novo, em torno de Jesus. E ele, como de costume, as ensinava. Alguns fariseus se aproximaram de Jesus. Para pô-lo à prova, perguntaram se era permitido ao homem divorciar-se de sua mulher. Jesus perguntou: “O que Moisés vos ordenou?” Os fariseus responderam: “Moisés permitiu escrever uma certidão de divórcio e despedi-la”. Jesus então disse: “Foi por causa da dureza do vosso coração que Moisés vos escreveu este mandamento.No entanto, desde o começo da criação, Deus os fez homem e mulher. Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e os dois serão uma só carne. Assim, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe!”

Em casa, os discípulos fizeram, novamente, perguntas sobre o mesmo assunto. Jesus respondeu: “Quem se divorciar de sua mulher e casar com outra, cometerá adultério contra a primeira. E se a mulher se divorciar de seu marido e casar com outro, cometerá adultério”.







Matéria retirada do site:

Cardeal Ruini: Equiparar uniões homossexuais a casamento é um perigo para a humanidade

Roma, 21 Mai. 16 / 10:00 am



Cardenal Camillo Ruini / Foto: Diocese de Roma


Roma, 21 Mai. 16 / 10:00 am (ACI).- Equipar o casamento às uniões homossexuais é “um perigo muito grave para a humanidade”, disse o Cardeal Camillo Ruini, Vigário Geral Emérito do Papa para a Diocese de Roma (Itália), em um entrevista recente, através da qual criticou a decisão do Parlamento italiano de aprovar a lei da “união civil”, que permite o casamento gay.

“Meu parecer é decididamente negativo. Equipar o casamento às uniões entre pessoas do mesmo sexo significa transtornar os parâmetros fundamentais, a nível biológico, psicológico, ético, parâmetros que até há pouco tempo todos os povos e todas as culturas respeitaram”, disse o Cardeal em entrevista ao jornal ‘Corriere della Sera’.

“Portanto, é um problema gravíssimo para a humanidade e atualmente para a Itália. Além disso, é um problema para a Igreja, pela simples razão de que a Igreja não pode ignorar o bem das pessoas”, ressaltou.

Nesse sentido, o Cardeal de 85 anos apoiou a denúncia do presidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI), o Cardeal Angelo Bagnasco, que durante a assembleia de bispos advertiu que o “golpe final” desta lei é “prática pública da barriga de aluguel”, que além de explorar o corpo feminino, também abre a possibilidade da adoção de crianças por casais homossexuais.

“O Cardeal Bagnasco disse uma palavra de verdade, que dá luzes sobre diversas ilusões e também enganos. Atualmente, estão multiplicando as sentenças judiciais que tornam legais as adoções e, infelizmente, não será necessário esperar muito tempo para uma decisão do Parlamento Europeu a fim de que, além do nome, igualem completamente as uniões civis ao casamento”, disse o Cardeal Ruini.

O Vigário Emérito de Roma recordou que os bispos italianos não permaneceram em silêncio quando anunciaram a sua intenção de aprovar a lei de união civil.

Por isso, assinalou que, ante a situação atual, devem procurar “mudar alguns temas, ou pelo menos complementar com outras normas que impeçam abusos piores. Advogados altamente experientes formularam várias propostas, mas servirá muito pouco se a vontade política não quiser aprová-las”.

O Parlamento italiano aprovou a lei de união civil no último dia 11 de maio.

O texto cria para os casais homossexuais uma união civil particular chamada “formação social específica”.

A lei foi criticada não só pelos bispos, mas também pelos partidos da oposição, associações e instituições que defendem a família natural entre um homem e uma mulher.

No dia 20 de junho de 2015, aproximadamente um milhão de pessoas se manifestram na Praça São João de Latrão, no centro de Roma, a fim de defender a família natural. Como também em 30 de janeiro deste ano, quando a população saiu novamante pelas ruas para protestar contra a intenção de aprovar a lei de união civil.







Matéria retirada do site:

Eutanásia de jovem holandesa é uma mensagem devastadora, diz perito


Foto referencial / Pixabay (Dominio Público)


AMSTERDAM, 20 Mai. 16 / 08:00 pm (ACI).- Uma jovem de aproximadamente 20 anos de idade morreu depois de solicitar que lhe praticassem a eutanásia devido ao problema de saúde que sofria e que foi declarado como “insuportável” por uma equipe de médicos e psiquiatras na Holanda. Tal decisão foi criticada por peritos e ativistas pró-vida.

A mulher, cuja identidade não foi revelada, sofreu abusos sexuais entre os 5 e 15 anos.

Como consequência dos abusos, sofria de estresse pós-traumático (PTSD, na sigla em Inglês), ansiedade e outras doenças mentais. Vários relatórios classificaram sua condição como incurável, justificando assim legalmente a prática da eutanásia de acordo com as normas da Holanda.

“Eu acho que a mensagem transmitida é devastadora”, assinalou o Dr. Greg Bottaro, psicólogo clínico no Catholic Psych Institute, nos Estados Unidos.

“Ao colocar isso como informação pública, este acontecimento questiona as pessoas desesperançadas e lhes dá mais razões para acreditar que é válido desistir da vida”, acrescenta.

Em declarações ao ‘The Telegraph’, o psiquiatra holandês Paulan Starcke, que já praticou várias vezes a eutanásia em uma clínica local, assinalou que os psiquiatras “duvidam muito” a respeito de executar esse procedimento em pacientes com problemas mentais e afirma ainda que as crianças até os 12 anos também deveriam poder solicitá-la.

Com relação a este tema, o Dr. Bottaron diz que esta promoção da eutanásia não é apenas uma agenda política, mas também “uma ameaça para a saúde pública, porque uma das coisas que deve ser combatida é a desesperança e muitas vezes a primeira parte do tratamento é avivar a esperança de que podem ser curadas, que vale a pena seguir em frente, não importa o quanto será difícil”.

Tim Rosales, porta-voz do grupo Patients Rights Action Fund, assinalou que a eutanásia é uma forma extrema e uma forma inadequada de lidar com o sofrimento das pessoas. “Existem maneiras melhores de abordar o tema das pessoas com doenças graves ou terminais”, indicou.

“Além disso, o suicídio assistido é obsoleto, pois com remédios e terapias modernas os médicos podem cuidar dos indivíduos e das famílias que enfrentam estes tipos de doenças a fim de que não sofram tanta dor”, ressaltou.

De acordo com ‘The Telegraph’, os documentos relacionados aos pacientes revelam que o caso desta jovem não é isolado, pois a quantidade de pessoas que morreram por eutanásia tem aumentou desde que esta prática foi legalizada nos Países Baixos em 2002.

Em 2010, duas pessoas morreram por meio da eutanásia, devido às condições mentais “insuportáveis”. O número subiu a 56 em 2015, segundo assinalou o jornal britânico.








Matéria retirada do site:

Debutantes trocam viagem à Disney por uma visita ao Papa


As 35 debutantes paraguaias do Colégio Las Almenas / Foto: Cortesia Ruth Cardoso


ASSUNÇÃO, 21 Mai. 16 / 08:00 am (ACI).- A estudantes do Colégio Las Almenas de Assunção, no Paraguai, desistiram de viajar à Disney para comemorar seus 15 anos e realizaram uma visita a Roma para participar do Jubileu dos Adolescentes com o Papa Francisco.

No Paraguai, muitas famílias dão de presente às suas filhas uma viagem especial quando completam 15 anos de idade. Estas adolescentes tinham o sonho de visitar o parque de diversões da Disney na Flórida, Estados Unidos.

Entretanto, uma professora ficou sabendo, através do Grupo ACI, da celebração do Jubileu dos Adolescentes em Roma para o Ano da Misericórdia.

“Vimos a oportunidade de trocar a viagem da Disney e queria dar-lhes a oportunidade de viver de outra forma uma viagem de 15 anos, a fim de dar uma nova visão para elas e suas famílias. Acreditamos que a participação em um evento com o Papa Francisco com os jovens do mundo inteiro seria formativa e recreativa”, disse Ruth Cardoso, professora das alunas.





As 35 estudantes ficaram encantadas com a ideia desde o começo. “Muitas meninas disseram às mães que era melhor tirar uma foto em Roma com o Vaticano atrás do que com o Castelo da Disney”, disse a professora.

Os pais das alunas concordaram com a proposta.

Algumas alunas foram voluntárias durante a viagem do Papa Francisco ao Paraguai em julho do ano passado e queriam ver o Papa novamente.

“As meninas estavam encantadas e motivadas” por poder participar do Jubileu dos Adolescentes junto com o Pontífice.

O Jubileu dos Adolescentes aconteceu em Roma entre os dias 23 e 25 abril deste ano. Mais de 60.000 jovens participaram de confissões, peregrinações e uma Missa presidida pelo Papa Francisco.



Judith Jaquet é uma das debutantes que tiveram a oportunidade de participar com o Papa Francisco no encontro com os jovens na Costanera durante sua visita apostólica ao Paraguai. Ela viajou a Roma.

Graças a esta experiência, Judith disse que cresceu “muito espiritualmente. Aproveitamos para estar mais perto de Jesus e de Deus. Eu também gostei de ir ao Vaticano para encontrar o Papa e participar de uma missa com ele”.

Também cruzaram a Porta Santa da Basílica de São Pedro, um dos momentos mais emocionantes da viagem. “Você se prepara espiritualmente e pede a Deus para receber a indulgência plenária. Você se sente livre, é como começar de novo”, comentou.

Para Sofia Mendoza um dos momentos mais impressionantes foi quando o Papa Francisco disse em sua homilia que a felicidade “não é um aplicativo que pode ser baixado no celular”.

Foi a primeira vez que viu o Santo Padre e, para ela, “foi lindo, senti uma paz impressionante”, expressou.








Matéria retirada do site:

terça-feira, 17 de maio de 2016

Confirmada a data do Festival FAMC DF para 27 de Agosto de 2016

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016


ATENÇÃO BANDAS CATÓLICAS DO DF E DO BRASIL :


Confirmado data do FAMC dia 27 de Agosto de 2016 - local Paróquia Nossa Senhora de Lourdes em Taguatinga Norte Setor QNG DF- Atrás do Antigo Buritinga - PMDF - O local foi confirmado pelo CLEBER GUIOTTI junto ao Padre Roberto, que é O PÁROCO E DIRETOR ESPIRITUAL DO FESTIVAL. O horário será normal logo após a Santa Missa. Informamos que publicaremos o regulamento aqui e que estaremos com o Padre Roberto para acertar os últimos detalhes antes do dia 20. Enviaremos e-mail para todos!
Att,

Paulo Machado


________________________________________________________

terça-feira, 22 de março de 2016


1 FAMC - 2016
FESTIVAL ABERTO DE MÚSICA DA CULTURA CATÓLICA




A PRODUTORA FAMCC, doravante denominada Festival Aberto de Música da Cultura Católica, faz saber, para conhecimento de todos os fiéis católicos do DF E ENTORNO, juventude e músicos em todos os âmbitos, e outros interessados, menores de 18 anos, que estão abertas as inscrições para o Primeiro Festival Aberto de Música Católica – em Única Etapa DF/2014, a ser realizado no dia 27 de Agosto de 2016, em Brasília (DF), sendo regido pelos dispositivos do Regulamento abaixo citados:


O PRIMEIRO FESTIVAL ABERTO DE MÚSICA CATÓLICA DO DF- é de cunho estritamente cristão católico. Sendo assim, a sua expressão artístico-musical tem como objetivo a manifestação da fé, no âmbito da Igreja Católica Apostólica Romana, a ser realizado no pátio da paróquia Nossa Senhora de Lourdes em Taguatinga Norte, setor QNG, e com a autorização do Senhor Pároco e diretor Espiritual Padre Roberto Crispim. O Festival dará início logo após a Santa Missa das 18hs em um sábado, sendo assim ás 19 horas, de acordo com o horário normativo paroquial estabelecido pelo pároco. O Senhor Pároco terá acesso a todos os trâmites de gestão do festival, bem como o todo conteúdo do mesmo.


2 – COMITÊ ORGANIZADOR

2.1. Toda a equipe de organização do FESTIVAL, doravante denominado de Comitê Organizador Interno, será composta por membros do corpo de colaboradores e coordenadores do FAMC, coordenados e escolhidos pelos senhores Paulo César Santos Machado, Analista de Marketing, e o senhor Cleber Guiotti, publicitário.


3 – COMISSÃO DE SELEÇÃO

3.1 Será formada uma Comissão de Seleção, em ato discricionário, assim denominada neste Regulamento, nomeada pelo Comitê Organizador, que terá atuação na seleção dos 10 participantes, podendo chegar a 12, caso seja feita ou não, escolhas através de carta convite direta, aumentando as opções de escolha da comissão de seleção deste Festival, de acordo com o disposto no item 6.2 deste Regulamento. A mesma comissão de seleção poderá ter especialistas docentes da área musical, cito escola de música, UnB e outras escolhas discricionárias, bem como liturgistas e especialistas em musica católica e sacra. A Comissão de seleção, que é isenta, terá de 15 á 30 dias para selecionar todos os participantes, contando da data de, 27 de Junho , de 2016 á, 27 de Julho, de 2016, meia noite , horário de Brasília.


4 – PARTICIPANTES

4.1 Por ser um Festival Católico, serão considerados “participantes” qualquer pessoa brasileira ou não Brasileira, e que professe a fé Católica Apostólica Romana.


5 – CATEGORIAS

5.1 O Festival tem como caráter o estilo “livre” de música, permitindo a liberdade na criatividade, portanto aos seus participantes, sugerimos que desenvolvam o conteúdo musical sob o tema que inspire a eucaristia, adoração, a misericórdia, ligando também o tema louvor a Santíssima Trindade e sobre temas de Nossa Senhora” e demais temáticas sobre a missão da igreja, seja ele como banda, ministério ou executando na forma solo.

5.2 As músicas inscritas deverão ser inéditas, sendo que após a seleção das mesmas, ficará o comitê organizador autorizado e também a produção do 1FAMC, veicular na mídia , caso a Produção Geral deseje veicular a mesma, na web com clipe e áudio em blogs, sites e frequência AM e FM, autorizada pelo(s) autor (es), através de documento devidamente assinado, onde o(s) mesmo(s) declara(m)ser(em) o(s) autor (es) da música.

5.3. O Autor ou autores da composição da obra musical selecionada pela Comissão de seleção, deverá assinar documento autorizando, executar a mesma em seus canais de comunicação social ou imprensa, sem quaisquer danos a mesma obra selecionada.

5.4 Define - se para efeito deste festival como inédita, música que nunca tenha sido gravada e que não seja de conhecimento de nenhum dos membros da Comissão de Seleção ou dos Jurados antes do Festival.

5.5 Se aceita neste festival, artistas católicos de renome regional , nacional ou internacional, ou que já tenham obras publicas em gravadoras e distribuidoras, constituindo a proteção dos mesmos para efeito jurídico da lei de direitos autorais, desde que comprovem que a música classificada seja inédita.


6 – ETAPAS DO FESTIVAL

6.1 O Festival será constituído de duas fases, primeira fase será uma fase seletiva discricionária, e uma segunda fase será a fase final.

6.1.1 O Festival será divulgado em todas as cidades satélites e caso não havendo respostas em quantidade de inscrições, será analisado com critério e será enviada Carta – Convite – Direta para grupos musicais que identifiquemos naquela região ou próxima a ela, sendo a mesma , carente de músicos católicos.

6.1.2 Caso aconteça o envio de carta convite direta, será garantido que haja participação ampla das realidades católicas na seletiva discricionária.

6.2 Na fase discricionária seletiva a Comissão de Seleção, selecionará 10 (dez) músicas, podendo chegar a 12 e não mais que 12, (caso seja ou não, feita escolhas através de carta convite direta, aumentando as opções de escolha da comissão de seleção), que serão apresentadas na mídia para o conhecimento do público e que concorrerão entre si na fase final no dia 27 de Agosto de 2016. A comissão terá plenos poderes para escolher o número de 10 ou 12 participantes neste festival, não mais que 12, podendo ser menos que 10.

6.2.3 As músicas NÃO selecionadas no festival para a fase final, terão após 60 dias da realização do mesmo, acompanhamento e encaminhamento para a mídia com os mesmos processos, caso interessem, O comitê organizador poderá veicular na mídia , caso a produção Geral deseje veicular a mesma na web com clipe e áudio em blogs, sites e frequência AM e FM, autorizada pelo(s) autor (es), através de documento devidamente assinado, onde o(s) mesmo(s) declara(m)ser(em) o(s) autor (es) da música.


7 – INSCRIÇÕES - GRATUITA


VALOR DA INSCRIÇÃO - CESTAS BÁSICAS PARA AS MÚSICAS SELECIONADAS E UM KILO DE ALIMENTO NÃO´ PERECÍVEL PARA PESSOAS PRESENTES NO DIA DO FESTIVAL COMO ENTRADA .

7.1- Valor das inscrições para o festival: Uma cesta básica por grupo que se apresentar no festival, estando selecionado. Este item deverá ser entregue pessoalmente na secretaria da paroquia, Os recursos arrecadados terão como destino ajudar a paróquia ou comunidade católica do DF ou entidade social ligada a paróquia, e só serão encaminhados diretamente pelo comitê organizador aos destinatários, pois o mesmo não tem fim de atividade lucrativa.

7.2 Os participantes poderão se inscrever individualmente ou em grupo.

7.2.1 A Ficha de inscrição foi elaborada dentro de um padrão para atender o festival
na sua demanda, evitando–se fraudes e rasuras.

7.3 A Inscrição individual é de caráter pessoal e intransferível, estando disponível somente por pessoal credenciada do comitê organizador ou enviada pela mesma através de e-mail ou entregue em mãos.

7.4 Cada participante só poderá inscrever uma (01) música.

7.5 Cada grupo deverá inscrever todos os seus participantes, conforme a ficha de inscrições, preenchendo formulário específico fornecido pelo Comitê Organizador.

7.6 Não será permitida, a participação de músicos que não foram inscritos no ato da inscrição da música no festival, salvo por motivo de força maior, o que deverá ser comunicado ao Comitê Organizador por escrito até um dia antes do Festival, que julgará o caso.

7.7 No caso de grupos, bandas ou ministérios inscritos, não poderá haver troca de componentes no decorrer do Festival, exceto em casos de força maior como doença, dissolvição por rixa, impedimento grave ou de morte e sendo necessária a comprovação através de atestado médico ou outro documento, ficando a aceitação da justificativa a critério do Comitê Organizador, assim como julgar se é um caso de desclassificação do grupo inscrito ou não. No caso destes, tudo deverá ser comunicado ao comitê organizador com máxima urgência e antecedência. Caso o músico toque em duas bandas, os mesmos deverão fazer o pedido com antecedência ao comitê organizador interno, cabendo ao COI, a decisão final.

7.9 Todos os inscritos serão tratados como grupo(s) para fins de organização deste Festival.

7.10 A Cópia da ficha de inscrição, cesta básica, o material para avaliação, e as autorizações dos autores, deverão ser entregues pessoalmente e presencialmente na sede do festival Paróquia Nossa Senhora de Lourdes , no seguinte endereço : QNG - SETOR G NORTE AE 25/27 , ao lado do colégio Ideal e próximo ao Senac, Atrás do antigo Buritinga, Hoje Batalhão de ensino de polícia militar , Avenida Hélio Prates, Final do Pistão Norte em Taguatinga, perto da saída e do cruzamento para a pista da Estrutural e Vicente pires. Quando a obra for selecionada e a mesma for realizar sua inscrição, deverá levar a cesta básica até a secretaria paroquial e lá irá receber comprovante de que doou a cesta para o evento, ou também para pessoa credenciada do COI.

7.10 LISTA DOS ITENS DO 7.10

7.10.1 Cópia da ficha de inscrição – disponível na secretaria da paróquia ou pelo e-mail oficial do FAMC.
7.10.2 Comprovante de entrega da cesta básica, fornecido pelo C.O.I., Comitê Organizador Interno na hora
7.10.3 Autorizações dos autores para que eles possam assinar
7.10.4 Gravação do áudio em MP3
7.10.5 Folha digitada com Nome e letra da música devidamente assinada pelo autor. LÉGÍVEL E SEM RASURA (clareza de leitura no texto).

7.11 A ficha de inscrição e o modelo de autorização do autor (para as músicas selecionadas) poderão ser enviadas via e-mail pelo comitê organizador interno do festival ou os candidatos á seleção poderão retira-las na sede da entrega das inscrições.

7.12 As inscrições começam no dia 20 de Fevereiro e encerrarão no dia 24 de Junho de 2016, a meia noite horário de Brasília, podendo em caso de dúvidas, na apuração da mesma, se estender até 26 de Junho á meia noite horário de Brasília.


ITENS PARA INSCRIÇÕES

7.13 As inscrições deverão estar acompanhadas dos seguintes itens: Uma gravação das canções em áudio CD Mp3 ou Pen drive ( não infectado por vírus, contendo somente a música, gravada com clareza em áudio Mp3 ou outro armazenador de leitura e audição do mesmo arquivo). Na gravação, não poderá dizer o nome do autor, obrigatório dizer o nome da música. Folha digitada em fonte Arial ou datilografada com nome e a letra da canção, assim como o(s) autor (es) devidamente assinadas em baixo, deverão ser entregues em um envelope de papel com o nome do grupo a caneta, lacrado com durex ou outro material vedante, sem prejuízos as mesmas.

7.14 A Comissão de Seleção não terá como critério a qualidade das gravações. Entretanto, gravações que não permitam uma audição clara serão desconsideradas.

7.15 O Comitê Organizador, confirmará o recebimento do material para avaliação através do próprio e-mail, sendo este também um procedimento padrão, ou confirmado por escrito no ato.

7.16 O Material de áudio enviado não será devolvido aos inscritos, assim como nenhum material doado, será devolvido aos participantes após a inscrição, em virtude de desistência do próprio participante, ou devido à não classificação em quaisquer das fases deste Festival. A doação é um ato voluntário e não caracteriza troca ou produto de valor financeiro.

7.17 Os participantes menores de 18 anos deverão apresentar autorização do responsável legal para participação no Festival e também documento de permissão de uso e veiculação da imagem e voz do menor, tendo o líder do grupo como testemunha. O modelo destes documentos deverá ser solicitado à Comissão Organizadora.

7.18 Não será prorrogada a data das inscrições.


Lei de direitos autorais

7.19 A saber, consta na lei de direitos autorais em seu artigo Art. 68.: Sem prévia e expressa autorização do autor ou titular, não poderão ser utilizadas obras teatrais, composições musicais ou lítero- musicais e fonogramas, em representações e execuções públicas.

7.20 A saber ,consta na lei de direitos autorais em seu artigo Art. 104, Quem vender, expuser a venda, ocultar, adquirir, distribuir, tiver em depósito ou utilizar obra ou fonograma reproduzidos com fraude, com a finalidade de vender, obter ganho, vantagem, proveito, lucro direto ou indireto, para si ou para outrem, será solidariamente responsável com o contrafator, nos termos dos artigos precedentes, respondendo como contrafatores o importador e o distribuidor em caso de reprodução no exterior.

7.21 Endereço de e-mail disponibilizado para envio das inscrições com o material a ser avaliado juntamente com a confirmação da entrega dos alimentos: famcfest@gmail.com, Obs: RECOMENDA-SE ENTREGA DE MATERIAL PARA AVALIAÇÃO PESSOALMENTE DEVIDO A LEITURA E AVALIAÇÃO DAS MÍDIAS E ARQUIVOS realizada pela comissão de seleção.

7.22 No ato da inscrição os participantes selecionados cedem, através do mesmo, os direitos de veiculação das suas obras.

7.23 Será permitido que um participante seja integrante de mais de um grupo ou banda simultaneamente durante o festival, desde que o mesmo não atrapalhe o andamento do grupo e do evento em si, NÃO GERANDO de forma alguma, qualquer problema técnico de palco ou de comportamento, descritos neste regulamento. Caso o COI entenda que vai haver problemas, ele tomará a decisão.

7.24 Quando da realização do Festival, cada participante será responsável pelos seus pertences, instrumentos, equipamentos, ou qualquer outra coisa de caráter pessoal, não cabendo ao Comitê Organizador e nem a paróquia, nenhuma responsabilidade sobre os mesmos.

7.25 Cada participante poderá estar acompanhado de sua torcida organizada a qual deverá apenas ter uma atitude de motivar seu grupo, sendo proibidas ações negativas em relação aos demais participantes do festival.


INSCRIÇÃO DE MEMBROS DE TORCIDA

7.25.1 A Inscrição para a torcida será precedida de um kilo de alimento não perecível por membro, para sua participação no festival. Todas as torcidas inscritas terão que obrigatoriamente a presença de um coordenador.

7.25.1 A Inscrição para participar do júri popular será precedida de um kilo de alimento não perecível para todos aqueles que desejarem participar do mesmo.

7.25.1 A Entrada no festival é franca.

7.25.2 Membros de torcida que tem amigos, parentes e colegas da mesma comunidade paroquial de Nossa Senhora de Lourdes de candidatos selecionados, não poderão participar como jurados oficiais, mas poderão participar como votantes no júri popular

7.26 O ato da inscrição implica, para todos os efeitos, sua expressa aceitação integral de todos os termos do presente regulamento, termo de responsabilidade pela fidelidade das informações fornecidas ou que venha a apresentar, e na autorização dos direitos conexos de interpretação musical e execução musical em todos os seus efeitos, englobando, nessa autorização e cessão, o nome e a imagem dos participantes, quando da promoção e publicidade necessários, à realização, divulgação.

7.27.Todas as atividades desenvolvidas no dia do festival como venda de comidas, refrigerante, água e etc, será revertida para as obras da paróquia Nossa Senhora de Lourdes, não podendo ser aceitas nenhuma outra atividade econômica de terceiros, onde a renda arrecadada tem somente o intuito caritativo assistencial e paroquial.


8 APRESENTAÇÕES

8.1 As apresentações acontecerão no dia 27 de Agosto de 2016 na Paróquia Nossa Senhora de Lourdes em Taguatinga Norte DF.

8.2 Todas as apresentações dos 12 selecionados, acontecerão na cidade de Taguatinga DF, em local determinado e divulgado pelo Comitê Organizador.

8.3 O gasto com despesas relacionadas à vinda dos classificados para o Festival, assim como para alimentação antes, durante e depois do Festival, são de inteira responsabilidade dos mesmos, não cabendo a paróquia e nem o COI, arcar com tais custos.

8.4 Juntamente com o material para a avaliação deve ser enviada a folha assinada pelo responsável pela música da concordância com os itens deste regulamento.


9 – COMISSÃO DE SELEÇÃO

9.1 COMISSÃO DE SELEÇÃO , em ato discricionário, atuará ANTES do festival e será composto por integrantes escolhidos, e terá a incumbência da classificação dos Participantes, para etapa final.


JURI OFICIAL

9.2 Os jurados oficiais, denominado JURI OFICIAL, estarão presentes no evento do início ao fim do mesmo, mas em caso de atrasos ou imprevisto, fica dispor do comitê Organizador a solução do problema. Dentre os membros do Júri Oficial teremos 3 membros da comunidade católica de notório saber musical e litúrgico.

9.3 Será nomeado pelo Comitê Organizador, um componente do Júri oficial, como Presidente do Júri oficial, ao qual caberá a direção dos trabalhos do julgamento e voto de desempate.

9.4 As decisões do Júri serão irrevogáveis.

9.5 Os membros do Júri oficial serão orientados conforme os critérios abaixo:

9.6 Para todos os concorrentes deverão ser avaliadas as proficiências médias de todos os participantes, e não apenas aqueles que mais se destaquem.

9.61 Os destaques serão dados paralelos ao festival, e serão avaliados discricionariamente durante o andamento do mesmo.

9.7 As notas serão dadas nos valores inteiros de 05 a 10 pontos, inclusive números fracionados, exemplo: 5,7 8.6 ou 9.9., em todos os quesitos avaliados e serão somados por um especialista em matemática caso necessite contagem e recontagem de pontos, sendo vencedor o que obtiver maior número de pontos. Serão quesitos de avaliação e pontuação: Letra: Composição, aspectos: Pastorais, Históricos e Litúrgicos, teológicos e doutrinais, e mensagem. Interpretação: clareza de comunicação, afinação de voz e instrumentos e presença de palco. Arranjo: melodia, harmonia, ritmo e estilo musical. Performance do grupo: prática de conjunto e harmonia de grupo, não sendo esta planilha necessariamente a adotada durante o festival, onde se adotará uma tabela mais resumida. Seja necessário que os candidatos observem os aspectos e detalhes aqui mencionados.


Letra e composição

Aspectos Pastorais Históricos e litúrgicos

Aspectos Teológicos e doutrinais e mensagem

Interpretação, clareza de Comunicação

Afinação de voz , instrumentos e presença de palco

Arranjo

Melodia

Harmonia

Ritmo e estilo musical

Performance do grupo, prática de conjunto e harmonia de grupo





9.8 JURI POPULAR será composto para o dia do festival, pessoas de cidades satélites, representantes de grupos de jovens, movimentos e pastorais, jornalistas, membros do clero, bem como outros interessados e músicos, e terão caráter de julgar superficialmente, não terá peso ou influência de notas na decisão do JURI OFICIAL, sendo somente para uma avaliação superficial.

9.8.8 Esse mesmo JURI POPULAR, não terá peso de influência sobre as decisões do JURI OFICIAL, sendo que o mesmo tem somente o objetivo de sabermos qual grupo estará na preferência do gosto popular.


10 Apresentações

10.1 Os participantes selecionados, deverão encaminhar à organização, impreterivelmente, 30 dias antes de sua apresentação, “release”, ou seja, a historia do grupo em poucas linhas, atualizado, contendo informações de histórico, data de início, paróquia e cidade em que atuam nome dos componentes e instrumento que executam, nome completo dos integrantes do grupo. Data de cronograma será de 29 de Julho á 07 de Agosto de 2016. Obs: Se entregar pessoalmente favor entregar em envelope fechado e identificado com nome do grupo.

10.2 Os participantes obedecerão às regras de palco a seguir: o mapa de palco será o padrão do festival para todos os grupos. Instrumentos e vias não poderão ser modificados de lugar.

10.3 A organização não fornecerá tempo nem lugar para ensaios aos participantes e a passagem de som no palco deverá obedecer ao tempo de 10 minutos e caso seja pela manhã no dia do festival, tempo será estipulado pelo comitê organizador. Recomenda-se que a passagem do som seja feita com música conhecida ou um pequeno trecho da música que for apresentada. A Disponibilidade do horário de passagem de som fica sob a decisão da equipe de som.

10.4 O tempo para execução da música será de 5 minutos e não pode exceder a 07 (sete minutos), não sendo autorizado afinações de instrumentos no momento da apresentação cabendo nesse caso perda de pontos pelo candidato.

10.5 O não cumprimento dos itens anteriores levará a perda de pontos. A forma de aplicação das perdas de pontos nestes casos será divulgada durante o Festival.

10.6 O COI não permitirá atrasos nos horários pré-determinados para o festival.

10.7 Os participantes deverão se apresentar ao Comitê Organizador 01 (uma) hora antes da sua apresentação determinada pela organização em local a ser indicado durante o Festival. Solicitamos Disciplina a todos.

10.8 Os participantes que não se apresentarem na data e hora estipuladas serão automaticamente desclassificados.

10.9 A ordem de apresentação será decidida através de sorteio e será divulgada previamente 05 (cinco) dias antes do Festival pelo Comitê Organizador.

10.10 O Comitê Organizador reserva-se o direito de excluir do Festival o participante, presente ou convidado que, sob qualquer pretexto, perturbar a ordem ou não cumprir as normas deste regulamento.

10.11 O atraso na execução da música será computado com perda de 1 (um) ponto para cada minuto, não sendo com isso aconselhável afinação de instrumentos no momento da apresentação.


11 Final

Esta fase final FEITA PELO COMISSÃO DE SELEÇÃO , consta de uma apresentação em Brasília-DF, dia27 de Agosto de 2016 a partir das 19 horas, onde 12 musicas selecionadas ou menos, selecionadas pela comissão de seleção, se apresentarão conforme este regulamento no ponto 3.0.


CRONOGRAMA  DO FESTIVAL


PRAZO DE INSCRIÇÃO
GERAL


20 de Fevereiro  á  24 de Junho de 2016

PRAZO DE SELEÇÃO DISCRICIONÁRIA

27 de Junho á 27 de Julho de 2016


DATA  DE DIVULGAÇÃO DAS  12 BANDAS SELECIONADAS


Á Partir de 28 de Julho de 2016 

PRAZO DE ENTREGA DE DOCUMENTOS RELEASE  E HISTÓRICO DOS 12 GRUPOS
SELECIONADOS



29 de Julho á 07 de Agosto de 2016

DATA DA APRESENTAÇÃO DOS 12 SELECIONADOS E JULGAMENTO FINAL DOS GANHADORES


27 de Agosto de 2016




12 Premiação

Os 06 (três) primeiros lugares terão como premiação.

1º Lugar: Troféu
2º Lugar: Troféu
3º Lugar: Troféu
4º Lugar: Troféu
5º Lugar: Troféu
6º Lugar: Troféu

7º Lugar: Diploma
8º Lugar: Diploma
9º Lugar: Diploma
10º Lugar: Diploma
11º Lugar: Diploma
12º Lugar: Diploma

Do 1º Lugar ao 12º Lugar: será entregue envelope fechado, com pontuação e ranking de pontuação e comentários dos jurados para cada um.


JURI OFICIAL E POPULAR E GOSTO POPULAR JULGARAM TAMBÉM

MELHOR INTÉRPRETE: Diploma
MELHOR LETRA : Diploma
MELHOR APRESENTAÇÃO : Diploma
MELHOR ARRANJO: Diploma


13 Entrega dos Prêmios.

13.1 Os prêmios serão entregues ao líder do grupo e mais um componente, logo após a conclusão e do anuncio no palco de cada um, para evitar tumulto no palco.

13.2 Será permitido que um participante seja integrante de mais de um grupo ou banda simultaneamente durante o festival, observando o item 7.7 deste regulamento.

13.3 Será entregue DIPLOMAS DE HOMENAGEM PARA Músicos consagrados do DF.


MELHOR TORCIDA: DIPLOMA

14 Figurinos

14.1 O figurino deverá ser adequado à proposta da Evangelização, não sendo permitido o uso de roupas curtas, ou decotadas, ou transparentes, ou insinuantes, ou acessórios extravagantes, como piercings para homens ou mulheres, ou brincos para homens, ou qualquer outra situação que caracterize a degradação da moral e fé cristã durante o festival.

14.2 A não observância do item acima implicará na desclassificação do grupo.


15 Instrumentos

15.1 FESTIVAL ABERTO DA MÚSICA CATÓLICA, disponibilizará instrumento básico de bateria no palco para os selecionados . Todos os demais instrumentos deverão ser trazidos e mantidos sob os cuidados de cada grupo participante do festival.

15.2 Cada grupo deverá trazer o seu SET de pratos, máquina de chimbal e baquetas

15.3 Todo e qualquer ajuste na posição das peças da bateria só poderão ser feito sob a monitoração do técnico de áudio responsável pelo palco, SENDO OBRIGATÓRIO O RESPEITO A ELE.

15.3.1 A bateria sendo eletrônica deverá ser fixa e somente ser monitorada e arrumada pelo técnico de áudio responsável pelo palco com a participação do proprietário da mesma.


16 Áudio

16.1 A operação de áudio, será feita exclusivamente por profissionais que coordenará a equipe de som, devidamente credenciado pelo comitê organizador.


17 Disposições Gerais

17.1 O Comitê Organizador, poderá alterar este regulamento, em reunião especialmente convocada com seus integrantes, ratificando-o com a posterior comunicação e desdobramentos necessários que se fizerem adequados ao bom andamento do festival e cumprimento de seu objetivo, podendo ser feitas inclusive retificações do mesmo.

17. 2 Os casos omissos, ou seja, não contemplados nesse regulamento, serão decididos, soberanamente, pelo Comitê Organizador , não cabendo recursos contra suas decisões.
Brasíia DF, 02 de Fevereiro de 2016.


Comitê Organizado Interno - Distrito Federal


C.O.I.







Matéria retirada do site:

Link encurtado: http://adf.ly/1aNSja/temas-interessantes



NOTA DO BLOG TEMAS INTERESSANTES:
O Blog Temas Interessantes tem o único objetivo de divulgar o evento. O mesmo Blog não se responsabiliza e não tem nenhuma gerência sobre tal evento, apenas o divulga, para conhecimento do público em geral.